21 novembro 2017

[RESENHA]: GIRLBOSS




📚TÍTULO: #girlboss
📚AUTORA: @sophiaamoruso
📚EDITORA: Seoman
📚PÁGINAS: 247

Li pelo menos três resenhas sobre #girlboss. Sendo duas, exaltando a autora pelo sucesso da sua empresa Nasty Gal, e outra, falando muito mal da obra. Fiquei curiosa e decidi pagar pra ler.

O apelo comercial da capa é evidente. É um tipo de livro "modinha" — com uma 'hastag' e título feminista. Mas surpreende pelo conteúdo.


Traz uma linguagem cheia de expressões coloquiais. Acredito que a tradução foi feita desta forma — de propósito — com o intuito de deixar mais próximo possível da obra original.

Sophia conta sua história com riqueza de detalhes: sua fase de baixo autoestima; sua rebeldia, sua falta de apreço com os trabalhos por onde passou.

Ela deixa claro, não subentendido, que era uma pessoa problemática, que precisava de ajuda, porém não aceitava. Foi diagnosticada com TDH, mas abriu mão do tratamento e do conforto da família para viver como nômade e catando lixo, por opção.

Mesmo tendo um lugar para voltar, ela, inconscientemente, queria encontrar seu caminho mesmo que tivesse que passar por dificuldades. Ela estava certa!
[Todas as ações são criativas]

Sophia trabalhou em empregos que ela julgava que eram sofríveis, tais como restaurantes, serviços de informação, sapatarias entre outros. Na verdade, ela estava apenas entediada querendo garantir seu sustento. E aprendeu uma lição: "O que é chato para você poderá ser totalmente estimulante para outra pessoa. Se você está entediado e odiando algo, esse é um grande sinal de que você muito provavelmente apenas está no lugar errado. 

E, foi catando lixo que ela começou seu negócio milionário. Não foi exatamente com a primeira venda pela internet do livro que roubou. Ela não esconde que teve que roubar para garantir sua sobrevivência. Contudo, foi vendendo roupas usadas, que fizeram seu brechó no ebay se tornar um sucesso.

A autora traz muitas lições para novos empreendedores que querem vencer em seus projetos. Sophia não ficou sentada no sofá esperando o universo conspirar ao seu favor. A sorte foi ela quem criou — acordando cedo ou virando a noite trabalhando.

[Libere seu lado fashionista e extravagante]

A bem sucedida girlboss se considera introvertida, e, no livro faz várias colocações a respeito: Os introvertidos também são propensos a prestar atenção em detalhes pequenos (E uma loja no ebay é um tesouro de pequenos detalhes). Achei muito pertinente a forma como ela disserta sobre os introvertidos. O fato de ela não ter que lidar com pessoas, fez parte do motivo de ter começado a Nasty Gal, por simplesmente querer trabalhar sozinha. Cada um tem que saber explorar o que tem de melhor e saber o seu lugar, isso é um dos segredos para o sucesso. 
[Trabalhar com moda não é igual a passar o dia no shopping]

Essa parte do livro é a mais técnica. A autora chama os empreendedores para a realidade. Ela fala como é feita a contratação; como avalia um currículo; o que acha relevante numa entrevista. Sophia é muito enfática quando diz que não basta conseguir o emprego, é preciso mantê-lo, palavra de quem já foi promíscua com o trabalho. Isso aqui é muito bom:  Num mundo ideal, você nunca teria que fazer coisas que tão abaixo da sua posição, mas este não é ideal e nunca será. Você tem que entender que até um trabalho criativo não se resume a ser criativo, mas fazer o trabalho que precisa ser feito.

O livro vale a leitura, sem preconceitos. É possível compreender através desse fenômeno, que virou série na Netflix, o porquê de muitos negócios on-line fracassarem. Um dos segredos que a empresária revela sobre administrar um negócio com êxito, é saber como conseguir marketing de graça. Sabe como? Através do próprio cliente. Uma das regras de ouro: "Dê ao seu cliente algo a compartilhar."

Espero que tenham gostado. Não deixe de curtir e compartilhar com oa amigos


Nenhum comentário: