31 janeiro 2013

Anti-marketing



Mandar apresentadores para local da fatalidade é “marketing”, analisa coordenadora da UFRJ.
“Aproveitamento” e “marketing”. É com esses termos que a coordenadora geral de central de produção multimídia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Cristina Rego Monteiro da Luz, define o trabalho da imprensa no caso da tragédia de Santa Maria (RS). Com mais de 30 anos de experiência em comunicação, ela avalia que, jornalisticamente, foi errado emissoras de TV enviarem âncoras de telejornais para a cidade gaúcha.




Fonte: Comunique-se

Foto: Mandar apresentadores para local da fatalidade é “marketing”, analisa coordenadora da UFRJ

“Aproveitamento” e “marketing”. É com esses termos que a coordenadora geral de central de produção multimídia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Cristina Rego Monteiro da Luz, define o trabalho da imprensa no caso da tragédia de Santa Maria (RS). Com mais de 30 anos de experiência em comunicação, ela avalia que, jornalisticamente, foi errado emissoras de TV enviarem âncoras de telejornais para a cidade gaúcha.

http://portal.comunique-se.com.br/index.php/editorias/17-destaque-home/70809-mandar-apresentadores-para-local-da-fatalidade-e-marketing-analisa-coordenadora-da-ufrj.html


Muito me admira um Coordenador da UFRJ falar uma besteira dessas! Isso não é marketing! Logo, o conceito de marketing é satisfazer os desejos e necessidades dos consumidores.

Não foi feita nenhuma pesquisa com os telespectadores para saber se eles queriam que âncoras fossem cobrir uma tragédia a fim de receber uma transmissão de “qualidade”. O conceito de Marketing é mais amplo e não pode ser “taxado” como sendo uma atitude oportunista. Não é por aí! 

Cabe a cada emissora organizar sua programação para cobrir acontecimentos de qualquer natureza. Poderia ser âncoras ou estagiários. Acredito ser um dever ampliar o fato para que tragédias como essa não se repitam! 
A magnitude das informações desencadeou uma série de fiscalizações às casas noturnas, mesmo que tardias, mas fundamentais. 
E sim os consumidores querem um jornalismo de qualidade independentemente da grade e estrutura.

20 janeiro 2013

Citação 1