29 novembro 2011

De corpo e alma

SÉRIE: (H) de homem (M) de mulher - IV



Fui ao supermercado esta semana e ouvi uma operadora de caixa falando para outra: Sexta que vem, vamos na casa dos machos. Na ocasião, tocava na banca do camelô a música com essa "tirada".

Em tempo de desapego, eu penso que isso é o reflexo da falta da "conquista" masculina. O fato é que o homem está investindo pouco nisso. Culpo parcialmente as mulheres, pois no processo da conquista, a entrega do corpo está fácil demais, agora, a entrega da alma, elas estão dificultando um pouco. Você pode não concordar, mas quando as mulheres fazem isso ao contrário, primeiro a alma, depois o corpo [seja lá por qual motivo], elas ficam extremamente complicadas.

Não é mais novidade que as mudanças no comportamento feminino tornaram-nas mais seguras e independentes, contudo, aprenderam abdicar do sofrimento causado por eles, e, a  tendência é que traiam mais e fiquem sozinhas.

Em pensar que a sexualidade no universo feminino já foi um buraco negro, superado pela liberdade de expressão, leis contra violência à mulher entre outros movimentos.Elas também querem sexo sem compromisso, prazer incondicional, querem ir à "casa do machos", afirmando direitos iguais quanto aos homens combinarem de ir à "casa das primas".

E mesmo na inversão de valores, e na controvérsia dos bons costumes, a mulher, pela sua natureza anseia ser conquistada e admira homens românticos. 

24 novembro 2011

Você é uma pessoa carente!



As redes sociais têm uma peculiaridade: O desabafo. As pessoas não precisam de muita intimidade umas com as outras, elas simplesmente, falam! Na verdade, elas precisam desabafar.

A dinâmica social [real] não permite que tanta gente esteja junta se confraternizando o tempo todo, é humanamente impossível. Por tanto a rede faz esse papel, até mesmo nos embalos de sábado à noite.

Mesmo indiretamente, muitos que estão navegando, usam pensamentos de escritores, poetas e filósofos para ilustrar seus sentimentos.

Essa forma visceral de se comunicar, é o reflexo da carência - o mal do século. Sim.  Você é uma pessoa carente! Você quer preencher uma falta, seja qual for, ela existe. 

Quem não é visto, não é lembrado. Todos que estão plugados têm um objetivo e fazem de tudo para atingir. Aqueles que NAO estão aqui são auto-suficientes, supremos, equilibrados, elas não precisam disso! 

Enquanto não houver novas atividades para se fazer – para preencher esse vazio, continuaremos conectados, e não adianta resistir em não aceitar sua carência, você não consegue mais viver sem isso, é uma necessidade.

22 novembro 2011

SÉRIE: ESCREVE QUEM PODE, LÊ QUEM TEM JUIZO - IV



De acordo com o resultado do Censo 2010 pelo IBGE, o Maranhão tem a maior quantidade de domicílios com moradores de baixa renda no Brasil. Era de se esperar... Eu, como maranhense,fiquei bastante triste em admitir que entra Censo e sai Censo, e não há uma margem de acerto, nem para mais e nem para menos. 

Na série de hoje, pego uma carona no texto do meu amigo maranhense, Nascimento Martins.

-------------------------------------------
TURISMO EM CASA DE MARIBONDO.

O Maranhão tem uma capacidade turística impressionante. O clima é bom o ano todo, mas falta o principal: Investimento público para torná-lo mais atrativo e deixar ainda mais exuberante sua beleza natural. Entre a fauna e a flora, estão as famílias mais abastadas do estado, que se apossam das terras e ilhas nas mais belas localidades costeiras como os “Lençóis Maranhenses” e as Cachoeiras, de Carolina. A desigualdade é vista a olho nu, quando os grandes empresários colocam suas lanchas e seus Jet skis, onde se tem a única forma de sobrevivência, a pesca.  

O Centro Histórico, que outrora se tornou Patrimônio Cultural da Humanidade, está em estado de miséria! As pessoas que residem nos casarões ficam de mãos atadas, pois não se pode fazer muito pelos imóveis , os que foram abandonados, viraram esconderijo de marginais e banheiro público.

É preciso haver uma ruptura na maneira de pensar em turismo no Maranhão pois é sempre excluído das rotas dos grandes eventos nacionais e internacionais, o maior exemplo, é a Copa do Mundo, que apesar de ter sido cogitado para concorrer, não houve vontade política para proporcionar ao povo maranhense um mínimo de bem-estar, já que são obrigados a se contentar com pouco há cinqüenta anos.  
 

15 novembro 2011

SÉRIE: ESCREVE QUEM PODE, LÊ QUEM TEM JUIZO - III



Em nossa terceira Edição da Série, o jornalista Zulmar Lopes, traz um tema "novo-velho". Falar em desmatamento no Brasil, já está ficando corriqueiro, mas tem coisas que não dá para entender.

------------------------------

Afinal, o que querem os ecologistas?

A bola da vez é a Usina de Belo Monte. Temem os ecologistas que o lago a ser formado cause um impacto na fauna e flora da região e prejudiquem certos povos indígenas que lá habitam.
Existem outras possibilidades para que a região não permaneça às escuras. Acredito que nenhuma delas agradaria aos ecologistas.
- Uma usina atômica em plena região amazônica;
- inundar a região com usinas termoelétricas, altamente poluentes;
- energia solar, caríssima para os consumidores;
- viver no breu e curtir o belo céu da região. Até mesmo esta possibilidade seria perigosa pois as velas podem provocar incêndios.
Afinal, o que querem os ecologistas? O Brasil é altamente privilegiado em rios que formam quedas d’água. Abdicar deste handicap em nome de causas nobres mas prejudiciais ao desenvolvimento do país?
Já imaginaram o que seria do Brasil, um país claramente vulnerável a apagões, como ficou comprovado nos últimos anos, caso não existisse a usina de Itaipu? Lá o lago também afetou os ecossistemas e desalojou pessoas.
A causa ambiental é bonita, reconheço, desde que não prejudique o principal interessado: o homem.

08 novembro 2011

SÉRIE: ESCREVE QUEM PODE, LÊ QUEM TEM JUIZO - II




Hoje abordaremos um assunto que está sempre em pauta nos veículos de comunicação -  a imersão do homem em seu mais novo habitat. E para falar sobre isso, convidamos o  historiador Ramon S. Nunes.

---------------------
O AMBIENTE VIRTUAL


Dizer que a Internet é um ambiente pessoal é superficial, dizer que a Internet é um ambiente público é incompleto. Muito já se debateu sobre o assunto - na própria Internet.

O bom Aristóteles que definiu nossas noções ordinárias sobre cidadania, não dispunha de Google.


A Internet é um meio social novo e crescente. Apresenta em si todo um ambiente social com elementos dos dois clássicos – público e privado – além de alguns próprios. Uma casa tem seu limite na intimidade familiar e no espaço físico residencial, o público é ilimitado, porém recuado por limites de disseminação. A Internet apresenta uma mesma ausência de limites, e bem maior, porém amalgamada à individualidade; tênue; de cada personificação.


Cada usuário, no mar de linguagem supostamente perene e interminável, em um barco mutável por suas interações, escolhas e afeições. Um país continental cortado por trailers, um condomínio sem ruas, de residências flutuantes, no qual pombos correios migram de casa em casa entregando mensagens. Tênue, e em sua maior qualidade (como é comum), seu maior dilema: Não existem calçadas no condomínio, os trailers não têm portas. O juízo das coisas não ultrapassa a mera troca de informações, sem as impressões físicas, os pequenos hábitos não verbalizados... Ela é um novo corte social, com novos problemas de ordem social... Entretanto, paro aqui, assunto para um outro artigo.

01 novembro 2011

Série: Escreve quem pode, lê quem tem Juízo [1]




Hoje começa mais uma série no Blog, essa é muito especial, conta com textos de vários escritores que  trazem um estilo polêmico, crítico e libertário.

Estreando: Cristiano Camargo

----------------------

O Povo e Lula - uma relação madura?

Desde que se noticiou que o ex-Presidente Lula porta um tumor na faringe, ocorreu uma verdadeira comoção nacional.

Aquele que é hoje sem sombra de dúvidas o político de maior popularidade do Brasil, talvez o mais querido e amado pelo povo nas últimas décadas prova mais uma vez seu prestígio popular quando o alarde da Mídia faz soar a sirene de alerta que leva ao pensamento popular de um suposto risco de vida.
Entretanto,o que o tornou tão popular, a ponto de seus críticos serem “apederejados” pelo público, como se gostar dele fosse uma espécie de obrigação?
Porque a mania de “endeusar” os mortos e os que correm risco de vida, especialmente os mais populares ?

Este apoio ao Lula, será algo legítimo, ou será fanatismo?
Lula, herói do povo.O povo precisa de heróis?Porquê?

Será o exemplo de seu passado,de operário humilde, que chegou a Presidente?
O povo teria se sentido “vingado”, ao ser colocado no alto do Poder um legítimo representante do “povão”?

Ninguém questiona os méritos de Lula, nem seu caráter, sua origem, suas atitudes, mas a idolatria não seria uma manifestação de imaturidade, de infantilidade das massas?

Cristiano Camargo