25 fevereiro 2011

Você sabe o que é o Incessante?



Tudo começou com a idéia de ser uma série de livros de poesias em papel reciclado, sem fins lucrativos, cujo objetivo era estimular a apreciação poética e a “reinvenção do papel”. Daí por diante, o Incessante fez jus ao nome que tem.
Tornou-se um projeto independente voltado para a sustentabilidade ambiental, artística e de bem-estar.
A autora, Lena Casas Novas, pratica a ideia de que tudo que é bom tem que ser incessante! O mínimo que possamos fazer pela natureza será de grande valor; apoiar a arte em todos os campos é uma via de mão dupla – torna as pessoas grandes e generosas – praticar uma vida saudável e sem autoflagelo liberta sonhos que estão prestes a se realizar.
Experimente pensar nas pessoas torcendo pelo sucesso das outras sem inveja... nas pessoas agradecendo pelos simples feito por elas, e ainda, nas pessoas se doando sem pedir nada em troca. 

Temos a missão de estimular a criação e a produção de produtos artesanais e reciclados , servindo como canal de vendas e multiplicadores de conhecimento que contribuirão direta ou indiretamente para a realização de cada indivíduo envolvido com o Incessante.

Experimente novos pensamentos. Fique assim...


Incessante. Um estilo de vida. 

---------
Conheça nossa loja virtual

15 fevereiro 2011

Verão Incessante. [2]



Olhares que se cruzam, lábios que se mordem, cabelos que se embaraçam com o vento buliçoso e sem escrúpulos – dá sempre um jeitinho de levantar uma saia que está de bobeira. “A magia colorida...” A pele pinga, dá para vê o sol dando língua e as nuvens que dão no pé. “São coisas da vida...” Mudar a estação, fazer o mundo dá voltas, começar uma nova história.

Pegadas na areia

Sábado à noite, calor do cão, a previsão do tempo dava sol pro domingo. Liguei para quatro amigas convidando-as para irmos à praia. Natalia estava viajando com o namorado, Lucia estava menstruada, Carol ia trabalhar, a minha única esperança era a Cristina, deu uma desculpa bem esfarrapada – tomar conta do irmão mais novo.

Rio 40º, sensação térmica de 46º, não dá pra ficar em casa! Quando o sol bateu na minha porta, não hesitei, sozinha, rumei a Ipanema, posto 9.  O sol de lascar, praia lotada. Não dava pra ficar escolhendo lugar – armei a barraca abeirando a água.

Dei uma arrumada no biquíni, fiz um coqui no cabelo, e comecei a passar bronzeador. Eu já tinha percebido que ele não parava de me olhar desde que botei os pés na praia, sem disfarçar, ele tirou os óculos escuros e veio na minha direção.  E mesmo com todo aquele calor, eu comecei a tremer de frio. Depois que ele se apresentou, nem vi a hora passar, a praia estava ficando vazia, e de mãos dadas, caminhamos em direção ao pôr-do-sol. Ao cair a noite, deitamos e rolamos, foram muitas pegadas na areia.

12 fevereiro 2011

PÔR DO SOL


No oeste do horizonte ele se vai
Imaginamos que ele tem forma de caracol
Vai dizendo até amanhã, até mais
Que maravilha é o pôr do sol!

Casal em clima romântico
A pescaria ao entardecer, isca no anzol
A serenata, a poesia, o cântico
Inspirados no pôr do sol!

Pela manhã, apaga-se o farol
Ele surge, trabalha o dia inteiro
No início da noite, começa o pôr do sol!

A flor que o vigia, é o girassol
Têm lugares que ninguém o vê
Não quero morrer, sem ver o pôr do sol!


* Respostagem - Em homenagem ao fotografo: GEMERSON H DIAS

"Se chegar mais perto..."