24 dezembro 2010

Como é que se escreve...


Estou morando na rua da felicidade – sabe aquela que cruza com a da saudade? Pois é, bem no coração da Ilha do amor. Exatamente! No bairro da liberdade.  Eu adoro xodó, só não consigo beber sozinha.

O que aconteceu com as pessoas daqui? Como assim, foram parar dentro do computador? Não diga! Não imaginava que as pessoas não se falam mais pessoalmente, nem mesmo para dá abraço de feliz aniversário? Entendi... as mensagens e abraços são eletrônicos, porque é o sistema que lembra. Faz sentindo! Hoje em dia ninguém grava mais número de telefone de ninguém, quem dirá data de aniversário.

Nossa! Você ainda tem esse cartão... como a minha letra estava feia. Eu sempre mando aerograma de natal para todos os meus amigos. Agora estou começando a entender por que nunca recebi nenhum de volta. Das duas uma: ou as pessoas não têm mais tempo ou não sabem mais escrever. Não brinca... as pessoas preferem ficar falando sozinha pelo Twit...o que? Então elas acham que todo mundo está disponível para acompanhar o que estão fazendo em tempo real? Sei...

Menino, com essa correria, nem te contei, amanhã vou para cidade maravilhosa. Irei morar em piedade. Bem, é o que espero que Deus tenha de mim. Minha irmã está morando em paciência. Coitada! se ela não tivesse tanta... não conseguiria mais morar lá.

Amigo, quando eu chegar envio uma carta dizendo como foi a viagem, tá bom?! Enviar um Torpedo? Essa não! Me dá meu chip, Pedro! Do jeito que as coisas vão... vou perder até meus amigos virtuais.

Um comentário:

ükma disse...

hahaha, a gente acaba se envolvendo nesse mundo virtual, mas o que pega mesmo é a realidade, não tem como escapar.