09 junho 2008

Fragmentos

Fragmentos


Desprezei-lhe em vão

como sobejo

em meu fuso tediento.

Saí, como lampejo

para o arrependimento


Meu sentimento surdo

não ouve mais latejar

quem esperou tanto

para, de fato, me amar.


Se a esperança

soubesse o que é esperar,

realizaria com gosto

meu suposto pensar.

[LEIA + O Avivamento da Poesia]

Dedicada à Itelmara

Nenhum comentário: