24 dezembro 2007

VILANCETE:TRANSBORDANDO
No seu âmago permaneço
Bebo deste vinho tinto
Quando transbordas, eu sinto!

O teu vapor se condensa
Ligeiro...voltas ao sóbrio,
Banhas com sangue notório
A cama da inconsciência,
Sem saber da conseqüência,
Mergulhas no meu recinto
Quando transbordas, eu sinto!

Caímos no denso desejo...
Lembra do sonho insensato?
Gosto do estilo arriscado
Deste futuro imperfeito.
Viajo nesse seu jeito,
Com o pavio tão distinto,
Quando transbordas, eu sinto!
[LEIA + O Avivamento da Poesia]

22 dezembro 2007

O CONFERENCISTA
Os operários da empresa de construção civil foram convocados para uma palestra motivacional.
- Seja Flexível! Quebranta-te! Falou o conferencista empolgado.
Um pobre coitado se levantou e disse:
- Chefe, já faz duas horas que estou sentado aqui, e até agora não consigo saber o que o senhor tanto fala.
O palestrante mordeu os lábios, atônito, falou com voz trêmula:
- Nesta última frase, eu quis dizer: Seja mais...mole, seja mais...mais...na verdade, desate o nó desta cara amarrada.
- Como assim? Não entendi. O conferencista, calejado de dá a mesma palestra para vários públicos, não hesitou. Simulou um ataque cardíaco.