27 maio 2009

NATUREZA FERIDA

Gotículas cantam
Tristemente,
Pegadas grudam
No solo,
O calor te ruiu
Gravemente,
Agora,
Tenta alcançar
Teu pólo.

Não há tempo
Para despir,
Varal inundado,
Vestes a cair.

O vento
Intrigante,
Tirou
O arco-íris do ar;
Sei...
Estás ferida,

A poluição
Estonteante,
Sepultou
Um pedaço do mar;
Agora,
Tenta perturbar
Tua vida.

repercussão:
Desenvolvimento sustentável
Bar do Escritor
Manufatura

7 comentários:

Anderson H. disse...

Muito belo. Eu apreciei a levesa deste poema.

Lizzie disse...

Uma das coisas que vêm me deixando imensamente triste é essa degradação que o homem vem fazendo com a natureza.
Eu moro em apto, e é cheio de plantas pq adoro, escolhi meu bairro justamente pela quantidade de ar puro e arborização que ele tem. Não conseguiria viver bem em uma cidade grande em um local poluído. Todo local sem verde é triste.
Beijão

guilherme roesler disse...

Lena,

perfeito como tudo o mais que escreve.

Abraços, Guilherme

Larissa Marques disse...

Olá, resolvi te homenagiar lá no Manufatura, espero que goste! Beijo!

Paulo Sempre disse...

Mais um blogue que tenho o prazer de conhecer.

Paulo

ALF O Extasiado disse...

Triste, mas com uma beleza sem igual.

Menina, desculpa se não vim por aqui. Foi uma falha mesmo.

eu também passei um tempo fora, cê sabe....

Obrigado por aparecer lá de volta rsrsr.

Beijos amiga

regina disse...

Gente na verdade nao muito ligada a poesias mas esta moca e realmente coolllllllll heheh sucesso