09 setembro 2006

TELEMARKETING
Como você reage quando recebe ligações em momentos inesperados de pessoas querendo vender até a sogra? Dá até para imaginar você resmungando neste momento. Sim, ficamos indignados com um telemarketing ativo e automático. No qual tentam-nos empurrar produtos que não queremos consumir, expresso-me assim, como consumidora comum. Mas como profissional, sei que o telemarketing além de fundamental para uma organização tem muitos pontos a melhorar, por exemplo, deve ser mais brasileiro, quente, espontâneo, quebrando o modelo americanizado e frio.


Muitas das vezes quando você liga para um S.A.C., sua experiência é uma das piores possível, primeiro você tem que falar com a máquina e ficar apertando "um" para ir até o vigésimo andar, "dois" para escolher entre o bem e o mal, "três" para... Somente depois que seus dedos estão calejados e as orelhas queimadas, aparece algum ser do outro lado da linha, que não se difere da gravação automática para dizer que não vai poder te ajudar.


Não tenho nada contra o profissional de telemarketing, ele é pago para fazer este trabalho. Ele não pode exercitar seu lado humano, pois é obrigado a fazer sua rotina padrão. Mas sou contra o atendimento automático, se estamos rumo ao Relacionamento... Por que tem esse vácuo entre consumidor e empresa?

Nenhum comentário: